Os 4 R’s da Logística Reversa para otimizar seus processos

Embora a logística seja uma das principais operações no país e de grande impacto econômico, há muita ainda a ser trabalhado na cadeia de suprimentos, principalmente quando falamos em logística reversa.

A devolução ou troca de produtos ainda é um grande problema em gerenciamento, assim como nas estratégias de transporte. Logo, essa tende a ser uma das operações mais difíceis e de maior custo para empresas logísticas.

Em contrapartida, enquanto empresas limitam suas operações, outras chegam ao mercado oferecendo a logística reversa de forma mais ágil e tecnológica, funcionando com base nos quatro R’s.

Em outras palavras, os R’s resumem as principais operações e benefícios da logística reversa. Continue lendo e entenda melhor como ela pode ser essencial na otimização de seus processos.

Mas, o que é a logística reversa?

Enquanto a logística tradicional, chamada de logística direta, é responsável pelo transporte dos produtos da fábrica até o consumidor, a logística reversa leva o produto do consumidor até o destino adequado, seja para troca, devolução, descarte ou reciclagem.

Ou seja, essa operação quando realizada corretamente, beneficia a experiência do usuário com a rapidez na troca e devolução. Afinal, quando você atende os clientes de forma eficaz, aumenta as chances de fidelização e repetição da compra.

Assim como, beneficia também o meio ambiente, com o recolhimento de produtos para a reutilização ou descarte adequado, o que chamamos também de Logística Verde.

Os 4 R’s:

Returns (Devoluções)

A devolução é a parte mais conhecia da logística reversa. Consiste na retirada do produto no endereço do cliente, e no transporte até o fabricante ou estabelecimento responsável pela venda.

Entretanto, o Returns vai além do transporte, quando ocorre a solicitação da devolução é preciso uma operação completa e eficiente para inspecionar o produto, verificar a solicitação, para então realizar o transporte.

O maior diferencial são empresas que possuem profissionais capacitados, e tecnologia para monitoramento em tempo real de toda a logística.

Repair (Reparo ou reutilização)

Mas afinal, o que é feito com o produto após o processo de devolução? Nem todos são inutilizados, muitos fabricantes recuperam o produto consertando as falhas.

Em alguns casos, pode ser re-fabricado e devolvido ao estoque ou prateleiras, uma prática comum no varejo para recuperar custos e até promover a sustentabilidade dentro do negócio.

Sendo assim, a logística reversa agiliza o processo de reparo ao dar mais velocidade no recolhimento e garantir a integridade do produto, afinal essa é uma parte da logística que exige mais cuidado e processos menos automáticos.

Repackaging (reabastecimento ou revenda)

Complementando o Repair, aproximadamente 95% dos produtos recolhidos são devolvidos apenas pela insatisfação dos clientes, por isso são apenas reembalados e retornam para a venda.

Ou seja, mais uma vez a logística entra como um importante agente para analisar o produto e dar o destino correto, assim como garantir que ele possa ser revendido após as condições de transporte.

Recycling (Reciclagem ou descarte)

Embora muitas pessoas ainda vejam a reciclagem como responsabilidade individual, a Logística Verde está cada vez mais presente em empresas de diferentes nichos, instituindo uma nova responsabilidade, a de recolher embalagens e outros materiais resultantes dos produtos vendidos, para então dar o destino adequado.

O foco na reciclagem de componentes e produtos fez com que os fabricantes encontrassem maneiras seguras e econômicas de descarte, bem como investissem no transporte para recolhimento, a logística reversa.

Ao recuperar e reutilizar componentes, as empresas podem reduzir custos e minimizar o desperdício. Mas, configurar ou ajustar processos de logística reversa pode ser uma tarefa complexa e demorada, por isso, muitas empresas terceirizam o gerenciamento de devoluções para ter mais qualidade, autonomia e reduzir custos.

A terceirização como alternativa

Há um mito sobre a terceirização de serviços logísticos, principalmente sobre os custos elevados, mas a Enviabybus chegou ao mercado para mudar essa visão.

Transportando produtos nos bagageiros de ônibus, as operações de First, Middle e Last Mile são mais ágeis e com um valor competitivo de mercado.

Sendo assim, uma alternativa para a logística reversa pode ser investir na terceirização das entregas da sua transportadora e focar operações na logística reversa.

Gostou do artigo? Deixe um comentário!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *